1

Aprendendo a Amar a Deus


Quando eu era criança, um grupo da minha igreja ia fazer um passeio de bicicleta e eu queria muito participar, mas meu pai não deixou. Aquilo me arrasou, em minha mente só vinhas pensamentos de indignação e por horas fiquei remoendo aquilo. Eu devia ter uns 12 anos. Hoje eu entendo que meu pai estava preocupado em me deixar sair de bicicleta e que acontecesse algo, enfim, era preocupação de pai. Mas naquele momento eu sentia muita raiva.

Meu pai, vendo que eu não me conformava, tentou me consolar dizendo que a obediência dos filhos aos pais resultava em bênçãos. Não deu mais nenhum detalhe e o que eu entendia por bênçãos, naquela época, eram bens materiais. Quando alguém adquiria algo, era Deus que estava dando, ou quando estava doente e Deus curava. Neste exato momento eu “aprendi” fazer barganhas com Deus. Em meu coração eu levei meu pensamento a Deus da seguinte forma:  - Deus vou obedecer meu pai, estou chateada, mas vou obedecer e em troca quero uma bíblia nova de capa branca.

Eu realmente ganhei a Bíblia, minha avó me deu de presente, e me condicionei a obedecer em troca de bênçãos. Não existe nada de errado em ser abençoado e muito menos em obedecer, mas eu demorei mais de 20 anos para entender que relacionamento com Deus é muito mais que isso. Não culpo meu pai, ele tentou me ensinar um princípio bíblico e era um homem de Deus muito preocupado com minha vida espiritual.

Hoje eu observo a minha forma de apresentar Deus as minhas filhas, procuro tomar cuidado para não acontecer a mesma coisa com elas. Me preocupo muito com as crianças que crescem dentro da igreja, em lares cristão e que, aparentemente, não se desviam dos caminhos do Senhor. Podemos nos descuidar de algumas palavras e ensinamentos e mostrar um Deus bem diferente do que realmente ele é e, essa criança se tornar um adulto executor de rituais cristãos, mas sem amar a Deus verdadeiramente e sem entender que Deus quer um relacionamento íntimo com aqueles que se dizem servos dELE.

     “Amar o SENHOR, com todo o coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças" (Det. 6:5) requer um relacionamento que é construído aos poucos, dia após dia; com experiências que vão consolidando a amizade e criando laços de confiança, e quanto mais cedo esse relacionamento começar mais profunda e mais íntima vai ser essa amizade.

Ainda hoje estou aprendendo amar a Deus, esse mandamento não é fácil de se cumprir, é muito mais profundo do que imaginamos, colocar sua força, sua alma, não são meras palavras, mas Deus é paciente (Naum 1:3) e não rejeita um coração quebrantado (Salmos 51).

Tenho orado para que as experiências com o espirito santo aconteça ainda muito jovens com nossas crianças, para que o amor pela palavra de Deus e a seus propósitos sejam mais fortes do que o apelo que mundo faz e quando chegar a hora em que a pressão do mundo fica mais forte, na adolescência e juventude, elas saibam fazer a escolha certa, pelo motivo certo.

Comentários (1)

  1. Flordiliz

    Que o seu testemunho sirva de inspiração para os jovens e para as mães super jovens. Pois é muito bom nutrir desde de cedo no coração dos filhos o amor e intimidade pelas coisas do Reino! Amei.

Deixe seu comentário

Palavras

© 2018 Igreja Nova Vida do Guará